Gabriel de Sousa Justino ensaia-se no mundo literário com a publicação de livro de narrativas poéticas intitulado “Egrégia Pátria”. A obra literária foi lançada na passada quarta-feira, 17 de Agosto, no Auditório da UniLicungo, em Quelimane.

Em jeito de boas-vindas, o Reitor da Universidade Licungo, Boaventura Aleixo, agradeceu ao autor pela escolha e que a obra exalta de forma colectiva a história e a cultura de Moçambique. Teceu elogios ao autor por ter contribuído para o desenvolvimento das artes e da cultura moçambicana através da literatura.

Na sua intervenção, o Governador da Zambézia, Pio Augusto Matos, disse que esta obra é o resultado de momentos de prosa de assessoria que resultaram em marcantes narrativas poéticas de que cobrem a extensão do nosso vasto Moçambique pois descreve peripécias que poderiam ter acontecido numa vila, no interior de uma reserva florestal ou num bairro qualquer de Moçambique.

“Egrégia Pátria” foi apresentada pelo escritor e jornalista moçambicano, António Barros que afirmou que todos os contos se inscrevem no modo de narrativa poética e que Gabriel Justino de Sousa nos incentiva a olhar o mundo e a humanidade através das histórias que se reúnem neste livro. O autor mantém a perspectiva mítica e poética da existência humana, iluminada de esperança, construída por um olhar crítico acerca da história de Moçambique e as vivências do espontâneo e (ou) orquestrado do quotidiano sempre com olhando a questão do desenvolvimento.

Testemunharam o nascimento desta mais nova filha da literatura moçambicana quadros da Zambézia e da Universidade Licungo, familiares e amigos do autor e amantes da literatura.

Por Leonel Mutombene- GCCI